(Fabricius, 1789), (Hemiptera : Pentatomidae)

O objetivo deste trabalho foi avaliar a patogenicidade de M. anisopliae e B. bassiana sobre ninfas de E. heros, em condições de laboratório.

Autores: Darlin H. R. de Oliveira1; Everton R. Lozano2; Michele Potrich2; Aline M. S. Telles3; Matheus L. Padilha1; Luiz G. N. de Souza

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.
Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

E. heros, o percevejo-marrom da soja, é atualmente praga-chave na cultura da soja, devido aos danos que causa nas vagens e grãos reduzindo a produtividade e consequentemente a qualidade das sementes. A ascensão do cultivo de soja orgânica demanda alternativas de controle que possam ser eficientes e pouco danosas ao meio ambiente.

Dessa forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a patogenicidade de M. anisopliae e B. bassiana sobre ninfas de E. heros, em condições de laboratório. Para tal, os fungos comerciais foram obtidos em loja de insumos agrícolas e preparadas suspensões na concentração de 1×108 conídios/mL. Ninfas de terceiro ínstar de E. heros foram obtidas da criação mantida em laboratório. Cada tratamento constou de seis repetições com 20 insetos cada, sendo a aplicação dos fungos realizada via imersão de 1 mL das suspensões, em recipiente com capacidade de volume de 50 mL.

Após a imersão e agitação por cinco segundos, os insetos e a suspensão foram vertidos em caixa gerbox forrada com papel filtro e contendo alimento. As testemunhas foram água destilada e água destilada + Tween (0,01%). Os tratamentos foram acondicionados em câmara climatizada à temperatura de 27±2oC, umidade relativa de 70±5% e fotoperíodo de 12 horas.

A avaliação foi realizada diariamente durante 11 dias, quantificando-se o número de insetos mortos. Os insetos mortos foram submetidos acondicionados em câmera úmida. Verificou-se que ambos os fungos apresentaram efeito inseticida a ninfas de E. heros, sendo os percentuais de mortalidade de 66,66% e 71,66%, respectivamente para M. anisopliae e B. bassiana, ambos diferindo significativamente da testemunha. Os fungos avaliados são patogênicos para ninfas de E. heros, em condições de laboratório.

Palavras-chave: Fungos entomopatogênicos, controle biológico, soja orgânica.

Apoio: Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) – UTFPR.

Informações dos autores: 

1Acadêmicos do curso de Agronomia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR; Campus Dois Vizinhos;

 2Prof. Dr. Coordenação de Ciências Biológicas, Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR; Campus Dois Vizinhos, departamento de Controle Biológico;

3Programa de Pós-graduação em Agronomia (PPGAG) – UTFPR, Campus Pato Branco.

Disponível em: Anais do XXVI Congresso Brasileiro de Entomologia / IX Congresso Latino-Americano de Entomologia. Maceió, Alagoas, 2016.

Fonte: Mais Soja