O uso de insetos, micro-organismos e animais predadores para combater pragas agrícolas, no lugar de pesticidas químicos, cresce 20% ao ano no país

O mercado de produtos de controle biológico de pragas e doenças no Brasil cresceu 652% em sete anos, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), repercutidos na última semana em uma matéria publicada na revista Exame. Segundo a reportagem, o País conta hoje com 143 produtos voltados para o controle biológico, contra apenas 19 em 2010.

Segundo o presidente do Instituto Biológico – um dos mais respeitados centros de pesquisa para o agronegócio brasileiro, Antonio Batista, “hoje esse segmento já cresce pelo menos 20% ao ano no Brasil.” Mantido pelo governo paulista, o Instituto completou 90 anos em 2017 e havia lançado em junho o Programa de Transferência de Tecnologia e Inovação do Controle Biológico — o Probio.

Iniciativa que tem como foco desenvolver pesquisas e serviços nessa área, além de promover a transferência desses resultados. “Cerca de 25 empresas já são associadas ao programa, sendo algumas delas multinacionais” afirma Batista.